domingo, 5 de agosto de 2012

Cerveja Mosteiro (ou Beatus?)

Um domingo é da Cerveja, o outro é do Rock!

Nobres leitores, a partir deste mês o blog será ainda mais leal ao seu título. A cada duas semanas teremos quatro posts, cada um honrando um dos temas que nos dão título. As quartas-feiras serão dedicadas à Comida e à Diversão, com posts escritos pela dona do blog: a linda e esperta Vanessa. Aos domingos, teremos posts sobre Cerveja e Arte (leia-se rock´n´roll), que a partir de agora estarão sob meu comando - afinal, tenho que honrar o endereço do blog (Blog de nós dois).

Essa semana, especificamente no dia 2 de agosto, foi comemorado o IPA Day, ou seja, o dia das Indias Pale Ale. IPAs são cervejas extremamente lupuladas (e deliciosas). Nossa geladeira até conta com algumas boas IPAs mas, ao abrir a porta para escolher a vítima, caímos em tentação e optamos por uma magnífica garrafa arrolhada de 750ml que estava esquecida há uns 3 meses na prateleira.

A garota do dia é: Mistura Clássica Mosteiro Tripel, que recentemente teve o nome alterado para Beatus. Cerveja nacional, produzida pela Mistura Clássica, de Volta Redonda.

A aparência da garrafa é excepcional. Garrafa de 750m, arrolhada como champagne, vidro com tratamento que lembra um jateamento, rótulo clássico e de bom gosto. O aspecto externo casa bem com o estilo da cerveja - uma tripel, que automaticamente nos remete a monges brassando em abadias no interior da Bélgica. O ponto negativo está justamente em um dos seus elementos de charme - a rolha. Abrir rolhas em garrafas de cerveja é uma tortura. A rolha não é expulsa da garrafa como em um espumante, e o abridor não se encaixa com facilidade como em um vinho. É um sofrimento que, em regra, me toma uns minutinhos lutando contra a garrafa. Dessa vez não foi diferente.




Abrimos e servimos em duas taças. Cerveja turva de coloração dourada, bem viva. Formou um creme bastante denso (bolhas pequeninas) mas que não teve muita persistência (pouco depois, já tinha ido embora). Nenhum perlage.

O aroma é frutado e adocicado. O sabor, além de doce, é bem alcóolico (o que não foi uma surpresa, já que essa garota tem 10% de graduação alcóolica). Mas logo se nota um intenso sabor de madeira - resultado de armazenamento em carvalho. Ao final do gole, o sabor passa a ser amargo, o que muito me agrada. Segundo o rótulo, ela é feita com 6 tipos diferentes de lúpulos, o que justifica esse bom final.

Onde e quanto: a compramos pela Mamãe Bebidas, em abril - era uma promoção e saiu por R$ 29,99. No site da Cerveja Social Clube ela está, hoje, por R$ 34,00. O site oficial da Mistura Clássica sugere o preço de venda ao consumidor, nos bares, por R$ 39,00.

Opinião geral: eu gostei bastante. Infelizmente a degustamos pura, e cervejas tão alcóolicas devem ser consumidas harmonizadas com alguns petiscos. Ficaria um pouco mais contente se ela descesse um degrau e passasse a ser engarrafada em envólucros menores (350ml), com tampinha metálica, e a um preço mais amigável. Menos charme e mais praticidade...

Trecho novo: Alguns dias após essa postagem, o Rafael Zolet, da Associação dos Cervejeiros Artesanais do DF, nos alertou que já existe a Beatus em tampinha metálica e garrafa pequena. Dá pra comprar na Costi Bebidas por R$ 17,50. Obrigado pela colaboração!!

Próximo domingo: dia de música!

Abraços,

Ziriba (Cerveja e Rock)

6 comentários:

  1. Tá com cara de cerveja que eu vou gostar! Aroma frutado e adocicado...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anna, também acho que você gostaria dessa.

      Excluir
  2. Eu fui criado em Volta Redonda-RJ!
    abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando voltar por lá, não deixa de visitar a Mistura Clássica :)

      Excluir
  3. Já existe a versão de 300ml, com tampinha metálica: http://www.costibebidas.com.br/produto_detalhado.php?referencia=cerveja-mistura-classica-beatus-tripel-300ml&categoria=208

    ResponderExcluir