quarta-feira, 18 de junho de 2014

Japão - planejamento de viagem

Pessoas,

o planejamento da viagem para o Japão não teve segredo: horas de dedicação pesquisando sites e blogs sobre o Japão, definir os pontos e as necessidades básicas.

Um dos sites que mais pesquisamos foi o Japan-Guide, o site de turismo oficial do Japão. Por ele, é possível até fazer reservas de hotéis. Outros sites com dicas muito legais do Japão (e de outros destinos) são o Nós no Mundo e o Lud & Leo pelo Mundo.

Muita gente me pergunta se a gente não tem medo de ir com a cara e a coragem, sem agência de viagens, para lugares longes e bem diferentes, como o Japão. Não, não temos. Eu tenho medo real de ir em muito lugar do Brasil, mas não consigo ver problemas em ir para países desenvolvidos, com índice de violência quase nulos e sem fama de que o turista é feito de trouxo.

Nosso roteiro ficou assim:
- Osaka, onde ficamos 6 noites e foi nossa base para ir à Quioto, Nara, Hiroshima. Não conseguimos estadia em Quioto porque decidimos a viagens com menos de 2 meses de antecedência. Na época da Sakura (florescimento das cerejeiras), Quioto fica uma loucura!
- Monte Koya, onde passamos 1 noite num templo budista vivendo como monges.
- Tóquio, onde ficamos 6 noites e serviu de base para ir a Kamakura e até a região do Monte Fuji, mais especificamente Yamanashi.

Não foi fácil chegar nesse roteiro e fazer opções. O Japão tem muita coisa bacana para oferecer e eu queria ter ficado 1 mês!

Época


Fomos na primavera, bem nos dias de florescimento das cerejeiras, início de abril. A flor da cerejeira é chamada de Sakura. O país fica lindo mesmo! Os próprios japoneses viajam bastante pelo Japão nesse período e amam as cerejeiras: tiram fotos a toda hora! No site Japan-Guide dá pra ver o calendário de florescimento. Se puder, vá nessa época. Mas não se prenda a ela.



Visto

Precisa de visto para ir ao Japão. Todas as informações estão aqui. É fácil, rapidinho (fica pronto uns 2 dias depois) e tem que pagar em dinheiro, na embaixada. Custou R$ 77,00 por pessoa. E é lindo. Deixa o passaporte um luxo só :-) Uma coisa legal é que quando você chega na imigração e passa seu passaporte pelo leitor, todas as informações da máquina passam a ser em português. Japão lindo de deus, gente!

Dinheiro

Levamos apenas dólares e euros, que já tínhamos em casa, e sacamos yenes por lá mesmo, geralmente nas lojas do 7-Eleven, muito comuns por lá. Apesar de alguns sustos porque algumas máquinas se recusavam a nos dar dinheiro, e eu ainda não sei o porquê, no geral deu tudo certo. Assim como as máquinas da imigração, as máquinas da ATM também falavam (mesmo, havia voz) português conosco logo depois de inserir nosso cartão de crédito do Brasil. Lindo.


Internet Móvel

Não é fácil comprar um SIM card no Japão. Ao contrário da Europa e EUA, onde a gente entra em qualquer operadora e compra um pré-pago de dados, no Japão a coisa é mais restrita. Por que? Não sei. Então anota a dica para comprar seu SIM card, porque ter internet todo o tempo facilita a sua vida em terras nipônicas de maneira quase extraordinária.

A empresa B-Mobile vende SIM cards, mas é preciso comprar antes de chegar lá no Japão. No site tem todas as informações. Basicamente, você escolhe o tipo, compra pela internet e pode retirá-lo no aeroporto ou pedir para entregarem no hotel. A gente escolheu a última opção e deu certinho: chegamos no nosso quarto em Osaka e lá estava nosso 3G salvador. Prestem atenção porque é preciso comprar com certa antecedência para dar tempo deles fazerem a entrega. Escolhemos o SIM card com 3G livre por 14 dias, com velocidade limitada, e custou pouco menos de $40. Não tenho do que reclamar. A velocidade de transação dos dados não era nada diferente do nosso 3G daqui.

Para nós, a principal utilidade da internet foi o uso do transporte público. As linhas de metrô, trem e ônibus do Japão estão completamente conectadas com o Google Maps. Você descobre em poucos minutos que trem/metrô/ônibus pegar, a sua distância até o terminal/estação mais próximo, qual o portão, horários exatos, quais as paradas (sim!!! o Google maps te diz quantas e quais as paradas até o destino) e, ainda , o preço. É fantástico e não tem erro! Todos os nomes de estações e terminais são escritos em linguagem ocidental também, seja nas ruas, seja no Google maps.

Já procurar restaurantes não era muito fácil por causa do bendito alfabeto japonês, de ideogramas. Era dificílimo encontrar um nome qualquer escrito com ideogramas em meio a uma rua cheia de ideogramas :-)

O Tripadvisor tem aplicativos de Tóquio e  Quioto, que funcionam off line. Vale a pena baixar e ajuda, apesar de ter alguns erros de localização.

JR Pass - nem sempre vale a pena!

Com certeza absoluta, o que se diz por aí como necessidade primordial numa viagem para o Japão é o tal do JR Pass. Não é bem assim! Eu tenho minhas ressalvas. Explicarei.

O JR Pass é um passe de trem que dá direito ao uso infinito de muitas das várias linhas de trem da JR, uma das maiores operadoras de trem do Japão. Ao adquiri-lo,  você escolhe o passe para 7, 14 ou 21 dias. Dentre desse período ininterrupto a partir da primeira usada, basta você apresentar seu passe na entrada do portão de um das linhas permitidas e pronto.

Atenção! Compre com antecedência, porque o voucher é enviado pelos correios, e não por meio eletrônico. Nós passamos aperto porque descobri essa informação poucos dias antes de viajar. Nosso JR Pass chegou na noite anterior à viagem e acho que porque eu entrei em contato com a agência e implorei socorro. Compramos por aqui. Chegando no Japão, é necessário validar o JR Pass em alguma agência da JR. Elas estão espalhadas nos principais pontos e provavelmente seu JR Passa virá com essas informações.

O maior atrativo do JR Pass é o acesso aos trem balas, ou shinkasens. Há linhas de trem bala cobertas pelo JR Pass que te levam de Tóquio a Quioto ou Hiroshima. Como esses trechos são caros (Tóquio a Quioto custa $100, um trecho), todo mundo ama o JR Pass porque dá pra economizar bastante.

Acontece que o JR Pass também é bastante caro. Para 7 dias, custa $279. Para 14, $444. Isso o preço seco, porque ainda tem frete e a conversão não é favorável. Nossos passes para 7 dias custaram R$ 1.495,42.

Pensando no fato de que você poderia ficar andando de trem bala para lá e pra cá nesses dias todos, o preço valeria a pena. Mas, na realidade, numa viagem ao Japão com dias contados e mil atrações, você não vai só ficar andando de trem bala de Tóquio a Quioto ou até Hiroshima, né? Daí que vem minhas ressalvas.

O JR Pass não te permite andar em várias linhas de trem ou metrô que são úteis durante a viagem, como, por exemplo, o magnífico metrô de Tóquio ou o acesso ao Monte Koya. Ainda que muito das cidades sejam acessíveis pelas linhas do JR Pass, nem sempre a melhor opção, e a mais rápida, é da JR.

Considerando isso tudo, minha dica é: programe seu roteiro de viagens primeiro e depois decida se irá comprar o JR ou não. Você pode até fazer uma programação já direcionada ao uso dele, como nos fizemos.

Apesar de termos passado 13 dias no Japão, optamos por comprar o passe de 7 dias e concentrar todas as viagens longas e mais caras, cobertas pela JR, nesse período. E ainda assim não foi possível usar somente o JR, acabamos pagando uma ou outra passagem.

Se voltar ao Japão, considerarei bastante não comprar o JR. Tenho minhas dúvidas se valeu a pena. Nesse período de 7 dias, a gente ficava meio vendido para a JR, com dó de pagar por um trecho de metrô mais rápido e perto que não era da JR, ou outro, mais longo e demorado da JR, que já estava pago. Afinal, transporte público é caro no Japão.

Li dois relatos de viagem de turistas que resolveram não comprar o JR e não se arrependeram. Estão no blog Lud Leo Pelo Mundo (post aqui) e no Preciso viajar (post aqui). Há a opção de viajar de ônibus pela Japão. Aposto que deve ser maravilhoso e tudo deve funcionar muito bem. Porém, não recomendo uma viagem ao Japão sem viajar, nem que seja uma vez, de trem bala. É incrível e faz parte da festa :-)

Idioma e comunicação

Com certeza, o maior desafio dessa viagem. A gente não fala japonês, e eles são péssimos no inglês. Mas, para compensar, são extremamente solícitos. São dispostos a fazer mímica, desenhar, usar o celular como tradutor. No fim, tudo dava muito certo. Ter internet móvel, nesse caso, também ajudou bastante. E pode ser bastante útil levar por escrito o nome do hotel, endereço das principais atrações, as palavras básicas pra você (tipo banheiro e cerveja :-)), etc.

Em restaurantes, é muito comum ter a exibição dos pratos com preços em maquetes do lado de fora. Daí, é só apontar o que você quer e pronto!

Naquela vitrine ali atrás das bicicletas tem a amostra de todos os pratos do restaurante. Sim, isso é um restaurante. 

Cardápio do Sushi Banzai, um ótimo restaurante de sushis e sashimis. Rápido e barato!


Custos em geral

Olha, o Japão nem é tão caro assim. Não sei se é porque estivemos antes em Paris e o euro tá de arrancar o couro, mas a impressão que ficou é de que o Japão é bem possível.

É muito fácil comer barato por lá. Eles têm muitos fast food japoneses, com sushis, sashimis, udons, noodles, sobas. Nem precisa cogitar McDonalds. Fora os mercados, cheios de comida pronta, gostosa e em conta.

Comida de mercado.

Café da manhã de mercado.


Faça como os japoneses: coma na rua.

Os preços dos nossos hotéis também foram bem razoáveis. Em Osaka, R$ 1.090,00 por 6 noites, em Tóquio R$ 1.641,00 por 6 noites também.

Táxis estão fora de cogitação porque são serviços de luxo, muito caros! Em compensação, metrô é perfeito e andar a pé é pura alegria. Afinal, em qual outro momento você realmente conhece a cidade e seu moradores?

Para comprinhas de tudo, inclusive comida, itens de higiene, utilidades em geral, as lojas de 100 Yenes são imperdíveis!!!! 100 yenes é mais ou menos 1 dólar.

As entradas nas atrações pagas são bem acessíveis, por volta de 500 yenes, (quase 5 dólares), e tem muita coisa gratuita pra fazer. Aliás, o que não falta é entretenimento gratuito. Lembre-se que você estará no Japão. Parar por horas em qualquer esquina e observar a vida passar já um grande programa.







Ou seja, não deixe de ir por medo dos custos. Garanto que você irá se surpreender.

Sapatos

Que raio de tópico é esse? Simples: numa viagem ao Japão, você tirará os sapatos muitas vezes para visitar templos e afins. Portanto, programe-se para usar sapatos de fácil remoção :-)



Se tira tanto o sapato para entrar nos recintos que vendem essa versão de sapatos facilmente removíveis para homens!

Daí, tem lugar que você troca de sapato para entrar no local e depois troca de novo para usar o banheiro.

Toalhinhas de mão

Outro tópico estranho, né? Seguinte: no Japão é muito raro ter papel toalha ou secador de mãos nos banheiros. Também é difícil ter guardanapos nos restaurantes. Por isso, todo japonês anda com uma toalhinha de bolso para essas eventualidades. É fácil de achar para comprar e nas lojas de 100 yenes tem umas fofas. Além de úteis, viram ótimas lembranças.

Acho que é isso. Ainda vem muito post sobre o Japão por aí!

Beijocas. Vanessa.

5 comentários:

  1. Olá Vanessa,
    Ainda não li o post todo, mas só para não esquecer, vou comentar sobre a dica do JRPass. Acabei de voltar do Japão também, e comprei o passe por essa agência que é representante oficial e fica em Goiânia. O passe chegou em Brasília no dia seguinte ao depósito, muito rápido e confiável.
    Abraços,
    Thiago

    ResponderExcluir
  2. Olá, Vanessa! Tudo bom?

    Muito legal seu post do Japão! Também fui ao Japão recentemente por conta própria com meu namorado e simplesmente amei! A tensão maior é com relação à barreira linguística, mas como vc escreveu, os japoneses são super prestativos e educados. A mímica lá funciona bem! hehehe
    Meu namorado comentou acima e parece que o link do facebook do local que entramos em contato para adquirirmos o JRPass é este aqui https://www.facebook.com/japantravelbr
    Ele tentou colocar mas parece que não foi enviado.
    Esse local está vinculado à Agência Century, indicada no site da JR para comprar o passe aqui no Brasil.
    Aliás, creio que adquiri o de 7 dias num valor um pouco mais em conta que o de vcs, saiu por 690 reais, incluindo as taxas.

    Você comentou do metrô no post e queria saber se vocês compraram também o Suica.
    Nós compramos lá e foi bem tranquilo, para usarmos o metrô em linhas não abrangidas pela JR.

    Nós fomos agora em maio e foi bem tranquilo para encontrar estadia, inclusive em Kyoto. Japão na época das cerejeiras mesmo deve ser sensacional e bem cheio! hehehe

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Não compramos nenhum passe de metrô. Fomos comprando conforme a necessidade mesmo.
      Japão é incrível, né???
      Abraços!

      Excluir
  3. Amando as resenhas!!! @kfe_c_leite

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :-) Ou, vamos marcar um café sem leite?

      Excluir