quarta-feira, 6 de maio de 2015

Jambu

Pessoas,

feliz de quem trabalha perto da Vila Planalto, que tem restaurantes para todos os gostos, bolsos e humores. Mesmo trabalhando longe, dia desses fui conhecer o Jambu, do chef paraense Leandro Nunes e com cardápio curto e cheio de ingredientes da Amazônia e do cerrado. Ah, e também é dinâmico. O menu vai variando. Outra coisa legal: há indicação se o prato é sem glúten, sem lactose e vegetariano. Aliás, o Jambu é um deleite pra galera vegetariana.

Para almoço, tem menu executivo com 3 etapas (entrada, prato principal e sobremesa) e é difícil escolher as opções, pois, apesar de serem poucas, são bem diferentes e interessantes. O menu sai a R$ 59,00, ou R$ 84,00 se você optar pelo prato principal com camarão ou pato no tucupi. 

A casa oferece também o Gourmet Interativo que funciona assim: o comensal escolhe 8 ingredientes de uma lista de opções e o chef cria o jantar em 8 etapas. É necessário fazer a reserva com pelo menos 10 dias de antecedência, e a brincadeira custa R$ 140,00. Achei muito legal.


Vamos aos nossos pratos no almoço.

De entrada, Abóbora (abóbora, molho de abóbora, creme de gorgonzola, picles de maxixe e agrião) e Creme de couve-flor (creme de couve-flor com cogumelos salteados). Observem a fofurice da apresentação. Eu nem provei o creme de couve-flor do Vinicius, que o elogiou bastante, de tão empolgada que estava com a minha entrada de abóbora. O prato parecia um parque de diversões, cheio de surpresas, colorido, bonito. É super leve e o gorgonzola realçava a delicadeza da abóbora. Adorei!

Creme de couve-flor

Abóbora

Para os principais, fui de Tilápia (tilápia com crosta de açaí, purê de batata doce, ervilha torta e gel de limão), e Vinicius foi de Contrafilé (contrafilé com mousseline de cará, legumes salteados e molho de cebola e ervas). Eu não sei o que aconteceu com a foto do contrafilé. Tava lindo e gostoso demais! Era melhor que o meu, da foto abaixo, que já estava bem gostoso. Eu ando mega enjoada de tilápia, e acabei pedindo esse prato porque não queria pedir repetido e nem aumentar a conta. Mas valeu, porque a crosta de açaí deu personalidade pra tilápia, e o gel de limão com o purê de batata doce foi puro amor.

Tilápia

De sobremesa, Creme de Graviola (creme de graviola, creme de limão com majericão e pão de especiarias) e Creme de Cupuaçu (creme de cupuaçu com doce de beterraba, redução de aceto é farofa de telhas). Show de bola! Leves, saborosas, adocicadas, mas nem tanto. Aplausos pro Jambu!

Creme de graviola

Creme de cupuaçu

O atendimento foi ágil e gentil, o local é confortável e o único porém é onde estacionar.

Endereço: Vila Planalto. Avenida JK nº 02, em frente ao balão de entrada.
Horário de funcionamento: 2ª a 6ª, de 11k30 às 14h30 e 19h às 23h. Sábado de 12h às 15h e 19h30 às 23h30.
Telefone: (61) 3081-0900

Beijocas. Vanessa.

sábado, 25 de abril de 2015

Miami e Key West - Dez/2014.

Pessoas,

passamos a semana do Natal de 2014 numa viagem bacana em Miami e Key West. Foi uma boa oportunidade de viajar com parte da família, passar o Natal com eles, voltar à Miami (gosto de repetir lugares, a segunda vez é quase sempre melhor porque parece que a gente já tem o domínio da situação, mas, com tanto lugar novo para se conhecer, morro de dó de investir $ e tempo em lugar repetido) e conhecer Key West. Foram 3 noites em Key West e 5 noites em Miami. E foi maravilhoso! Com o dólar nas alturas, nos livramos da "obrigação" das compras e curtimos muito as duas cidades, sempre livres, soltos e, principalmente, leves. 

Key West

Chegamos no aeroporto de Miami por volta das 07h e, depois de imigração e tudo mais, alugamos o carro para ir pra Key West. Mas, antes de pegar a estrada mesmo, uma paradinha na Starbucks que era pro meu organismo físico e mental entrar no modo "férias" :-)


Sobre o carro. Eu tinha até feito reserva de um conversível, porque tem tudo a ver com a estrada sobre o mar que leva até Key West, e até para andar em Key West, cidade pequenina e onde se anda devagar, um conversível seria legal e tals. Mas três coisas me fizeram mudar de idéia: a) uma amiga disse que na estrada tem muito inseto, e que por causa deles viajou todo tempo com a capota fechada, e isso me fez lembrar as vezes em que andei de conversível em Brasilia e nunca achei bom, porque aquela ventania na cara e no cabelo (especialmente no meu cabelo que não tem a capacidade de voltar à forma anterior) não é confortável; b) eu optei por um hotel em Key West super bem localizado pra não ter que pegar carro pra nada; c) o preço. Daí, alugamos um econômico, que pros meus padrões era bem luxuosinho (Focus), super confortável, câmbio automático, todo cheio de firulas boas. O aluguel foi pela Dollar. Detalhe que o preço de reserva pela internet é sem os seguros, e eles não permitem alugar sem, de forma que o preço final do aluguel saiu por quase o dobro do preço da reserva ($413 o preço final)! Como a estrada entre Miami e Key West tem pedágio, junto com o aluguel do carro já compramos o SunPass, que é tipo o pagamento antecipado do pedágio e parece que é mais vantajoso. Não fiz as contas, mas a atendente garantiu que era bom negócio, além de que não seria preciso parar toda hora pra fazer pagamento com dinheiro no meio da estrada e tals.

A estrada até Key West. A estrada sobre o mar ligando as ilhotas é mesmo demais! Ela é cheia de atrativos e, se quiser, é possível passar um dia inteiro percorrendo os 260km, parando e curtindo a estrada. Tem muito locais para esportes aquáticos, restaurantes, mirantes, lojinhas. Usamos o GPS do app MAPS.ME (gratuito pelo android), que funciona off line, e foi muito útil para descobrir atrações na estrada. Não fizemos muitas paradas, não. Em um ou dois mirantes, para fotos, para almoçar no Burdines (um restaurante escondido e muito legal que descobrimos pelo MPAS.ME) e no famoso Bahia Honda State Park. Chegamos em Key West umas 17hs.





O restaurante Burdines fica na beira do mar e tem um deck delicioso. Ele fica acima de um posto de gasolina de barcos, tem comida maravilhosa e muita cerveja bacana. A conta com os dois pratos abaixo, duas cervejas, a vista maravilhosa, a brisa do mar e um atendimento super gentil ficou em $37.











O Bahia Honda State Park é um parque com entrada paga (uns $10 por pessoa), com várias praias, locais para piquenique, caminhadas, esportes aquáticos. Enfim, local pra passar o dia com a família e amigos. Estava cheio e o local é mesmo bem agradável. 







Foto sem filtro :-P



Uma feliz família reunida para o Natal. Não resisti e pedi foto :-)


Noiva fazendo fotos.
Hotel em Key West -  ficamos hospedados no hotel Cabana Inn Key West, reservado pelo booking.com e aprovadíssimo! A localização é excelente, colado na Duval (a rua point da cidade onde a diversão é garantida). Não precisa de carro pra nada (aliás, deixamos o carro num estacionamento público numa rua perto do hotel por dica do recepcionista). As acomodações são pequenos apartamento distribuídos numa casa muito legal. Os quartos eram super confortáveis, amplos, cama boa, banheiro com amenities de qualidade (amo isso!). A área externa comum era ótima pra relaxar, com cadeiras confortáveis, piscina tradicional e outra suuuper quente com hidromassagem. O café da manhã era show, com opções saudáveis e gostosas, além de uma máquina da Starbucks de café, chá e chocolate quente sempre à disposição dos hóspedes. Tudo de bom! Ah. E todos os dias tinha um happy hour de queijos e vinhos por volta das 17hs que, aliás, estava acontecendo na hora em que a gente chegou. Sem mais.



Key West é apaixonante. Pequena, descolada, liberal (mas decente), jovial, bonita, divertida. Cheia de bicicletas, motos, táxis rosa e galos. Sim, galos! Soltos pelas ruas, protegidos pela cidade, fotografados pelos turistas. Não deixem de conhecer Key West. Eu amei! Boa parte da cidade é coberta por wifi pública. 



















Fomos sem nada programado e reservamos alguns passeios por lá mesmo. Fizemos muitas coisas legais. Das coisas que mais fizemos foi....beber. Porque, né, sem precisar dirigir, sem compromisso, sem hora, e com todas aquelas opções de cerveja, não deu outra. Em key West é andar com garrafa de bebida aberta na rua. Se você comprar uma cerveja e quiser sair bebendo, terá que colocar num copo de plástico. 

O bar World of Beer tem sei lá quantas torneiras de chopp. Mas qualquer bar em Key West tem muita cerveja decente. A gente se acabou nas lupuladas americanas.




Sobre restaurantes, sei bem pouco. O que comemos mesmo foi petisco enquanto bebíamos :-)




Além de comer e beber, a gente também andou de jet ski, fizemos parasail, vimos pores do sol maravilhosos...segue as dicas nos tópicos abaixo.


  • Jet Ski: o passeio de volta na ilha de jet ski é bem tradicional em Key West. Fizemos com a Fury, reservando no dia anterior a noite num stand que fica na Duval, mas é possível reservar pelo site também. O passeio é divertidíssimo, lindo e vale muito a pena! Os jet skis são novos e os guias bem legais. Eu fui de carona (uma bursite no ombro me deixou receosa de não conseguir controlar o jet) e quase morri: o Vinicius achava que aquilo era feito para voar! Foi com bastante emoção.
  • Parasail: também fizemos com a Fury. Fizemos a reserva conjunta e rolou um descontinho. Cara, parasail é paz! É muito bom estar lá em cima vendo aquele oceano lindo e ouvindo nenhum barulho. Adorei demais!


  • Show de drag queen: isso mesmo! Na Duval tem mais de um local e é muito divertido. Fomos no Aqua. É um show de dublagem tosca, meio de comédia, bem decente. Elas brincam com a platéia, mas só "atacam" quem dá liberdade. É bem tranquilo. Pode ir sem medo.
  • Southern most point: é o ponto mais ao sul dos EUA, está a apenas 90 milhas de Cuba. É legal fazer a foto clássica, mas tem que ter disposição, porque é cheio, tem fila, etc e tal.

  • Por do sol do porto: a região do porto é muito legal. É bonita, cheia de gente, tem comércio, estátuas, artistas de rua querendo uns trocados. Vale a pena passar um tempo lá. E, claro, não deixe de ver o por do sol de lá. É obrigatório!!!







Key West foi isso. Uns 3 dias por lá revigoram. Super recomendo demais :-)

Miami

Dessa vez, eu gostei muito de Miami! Razões:


  • ficamos em Downtown, no hotel Yve, muito confortável e bem localizado. Miami Beach, onde ficamos da outra vez, me deixou um pouco assustada, porque a parte do bairro pela qual posso pagar é cheio de moças com camisas escrito Miami Bitch e caras muito grandes cheios de joias douradas. É um estilo de vida que, definitivamente, não combina com a gente. É muita ostentação.
Vista do nosso quarto!


  • não alugamos carro, andamos muito a pé e usamos o transporte público. Ao contrário de muita gente, eu acho libertador não ter que dirigir, estacionar e me preocupar com carro. Pra mim, vantagem é entrar num transporte, observar o caminho da janela e descer no local que me interessa sem me preocupar com mais nada. Claro que para algumas coisas o carro é vantajoso e, de fato, nós precisamos de um em um dos dias. Mas na maior parte das vezes, andamos a pé, de ônibus e de metrô. Aliás, dá pra ir e vir do aeroporto de metrô, sabiam? Baratinho e eficiente. Procurem no google que tem o caminho das pedras.






  • fomos no museu Wolfsonian. Não é fantástico, mas é legal e a entrada é baratinha. O museu é sobre evolução social, histórica e tecnológica associado á arte e ao design.




  • fomos em dois jogos: um da NBA e outro da NFL. Foi super demais, como sempre. Como eles são bons em espetáculos! E nós somos pé frio. Os times da casa para os quais torcemos,  Miami Heat e Miami Dolphins, perderem.




Americanos curtindo um barbecue no estacionamento fora do Sun Life Stadium




  • encontramos, por absoluto acaso, Guga, Pat e Eric e tivemos ótimos  momentos.


  • comemos e bebemos muito bem na Pizza Rustica (gigaante, barata e gostosa), Smith & Wollensky e no Biscayne Tavern, pub com umas 8 torneiras que ficava no térreo do nosso hotel. Para e pensa no estrago financeiro e hepático.








  • curtimos bem o South Point Park, local excelente para caminhar e ver gente bonita feliz praticando atividade física, crianças brincando, gatos, iguanas gigantes, contemplar o mar...


Só lembrava de Dexter quando passava na frente da Marina :-)







E Miami foi assim! Bem legal.

Beijocas. Vanessa.