quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Fogo de Chão - Brasília/DF

Pessoas,

desde a última vez que fomos à Fogo de Chão estávamos querendo voltar. Não sei o porquê de nunca ter registrado as 3 ou 4 idas, mas afirmo sem pudor que o preço (alto pra burro!) compensava o atendimento de primeira, o exímio preparo das carnes, a excelente qualidade do restrito buffet e a aura de "exclusividade" que rondava por ali. 

Infelizmente, após a visita de domingo, tenho que mudar o tempo verbal do pretérito imperfeito para o perfeito: o preço alto compensou o atendimento de primeira e etc, e a aura de exclusividade rondou por ali. Não mais. 

A grande decepção foi, sem dúvida, com o serviço. De cara, se notava a menor quantidade de garçons no salão. Aquele lance de você levantar as sobrancelhas e alguém surgir ao seu lado perguntando o que você quer não é mais a regra. Se tiver algum garçom do seu lado ou passando pela mesa e você disser qualquer coisa, ele não deixa passar. Resolve na hora. Mas aconteceu algumas vezes de os garçons sumirem do salão, e era preciso levantar os braços para ser atendido, algo que não acontecia em hipótese alguma. O serviço era impecável e os R$ 96,00 + 10% cobrados pelo rodízio eram em boa parte válidos por esse aspecto.

Se têm menos garçons, os espetos ficam mais cheios e a carne menos nova e fresca, passeando no salão por mais tempo. Lembro-me tão bem daqueles espetos com poucas porções de carne perfeitamente executadas, cortes lindos, com cara de que acabou de sair da brasa....Era quase como um serviço a la carte, pois a carne sempre tinha acabado de ser preparada antes de chegar ao prato.

Tudo ficou pior quando notei (e fui vítima) os claros erros quanto ao ponto das carnes. Falha gravíssima num local especialíssimo em carnes. Picanha anunciada como mal passada e, no prato, bem passada. Carne anunciada ao ponto e, no prato, bem passada. Em um momento, pedi para provar o novo corte da casa, o Prime Rib. O garçom perguntou: "ao ponto, senhora?". Eu: "ao ponto para mal". Ele, imediatamente, chamou outro garçom que estava na mesa ao lado e pediu que me servisse. A carne não estava só bem passada, como estava, inclusive, ressecada.

No buffet, itens em falta que não foram repostos com agilidade esperada. Quando fui servir, logo no começo da minha excursão pela ilha, o carpaccio tinha acabado (e o queijo brie estava sem faca). Dei toda a volta, abasteci o prato e, ao voltar para a mesa, pedi para o Vinicius trazer carpaccio. Ele foi, voltou e o carpaccio ainda não tinha chegado. Minutos depois, chegaram nossas companhias (Gustavo e Vanessa) e eles foram ao buffet. Voltaram com a mesma informação: na travessa do carpaccio, só o queijo parmesão e as alcaparras.

Na mesa, serviram porções de coração e linguiça, pão de queijo, banana frita, batatas bravas, polenta. Perguntei se na casa tinha arroz, e o garçom me deu uma lista de 4 opções: branco, carreteiro, negro e biro-biro. Pedi o branco (para companhar a fraldinha) e me lembrei de algo que abomino no Porcão: os pratos "secretos", servidos só para quem sabe que existe. Acho que o mínimo que uma casa de rodízio pode fazer é informar ao cliente o que está incluído no rodízio, não? Engraçado que uma amiga que foi lá pouco tempo chegou no trabalho segunda reclamando do atendimento de forma geral, inclusive quanto à ausência de guarnições na mesa, e eu achei que fosse um fato isolado. Nem dei idéia!

Uma das razões que me fez insisti na ida à Fogo de Chão nesse momento é que tá rolando o Concurso de Carnes Angus. Até o dia 12 de agosto, a casa está oferecendo três novos cortes de carne do boi Angus e os clientes podem votar para selecionar o melhor. Tinha um panfleto na mesa falando sobre isso e só. Ninguém nos informou sobre a votação e nem mesmo ofereceram os novos cortes: prime Rib, Miolo de Alcatra e o Granito (peito do boi). 

Como disse acima, pedi o Prime Rib e veio seco. O Granito não estava seco, mas a carne era dura e sem sabor. Por fim,  o mais tradicional que recebeu meu suspiro: o simples e conhecido Miolo de Alcatra veio perfeitamente executado e macio. Mas, nem votamos. Parece que ninguém por lá se lembra dessa coisa de votação e eleição do melhor corte dentre os três novos da casa.

Até aqui não tá lembrando uma churrascaria? Pois é... Não me surpreenderei se um dia voltar lá e encontrar frutos do mar.

E de bom? Mesmo com todo esse rol de falhas acima (repito: inadmissíveis para um local cujo rodízio custa R$ 96,00 + 10% e é famoso pelo serviço impecável), ainda teve muita coisa boa. O bife ancho, a paleta de cordeiro, a fraldinha, a picanha mal passada, as morcillas (talvez seja o que o Vinicius mais goste naquele local!) o buffet de saladas seguem perfeitos. As batatas bravas estavam fantásticas, assim como a banana frita e até mesmo o pão de queijo servido como couvert. Ah, as endívias com molho de gorgonzola: de comer de joelhos. Além de comer algumas no começo, finalizei a visita com elas: como buffet tinha acabado e não foi reposto por um bom tempo (viu, recorrente!) pedi uma porção na mesa. Chegou linda e bem feita. Aproveitei e pedi o carpaccio também e, justiça seja feita, estavam perfeitos.

Outro fato desanimador na casa é o preço de todo o resto. A gente já chega desembolsando R$ 7,00 pelo manobreiro. O refrigerante e a água mineral custam R$ 6,30. Uma tônica, R$ 7,50. Suco natural, R$ 13,00. Capiroskas e drinks, na faixa de R$ 25,00. Chopp, R$ 9,00. Uma Original, 600ml, R$ 12,00!!! Isso até deixa a Paulaner Weiss,  500ml, por R$ 19,00, barata, né? O licorzinho do final, uns R$ 20,00. Sobremesas mais de R$ 20,00. Nem me atrevi a perguntar o preço do café.

Como podem ver, o preço é de arrancar o couro. Por isso esperava o serviço perfeito que sempre vi por ali. Fiquei decepcionada com a queda do padrão da casa e, hoje, não acho mais que a Fogo de Chão vale o preço. No todo, ainda é muito bom e ainda joga no chão muitos restaurantes por aí. Mas, por conta das falhas listadas acima e do preço dos penduricalhos, eu prefiro ir a um lugar menos caro (até porque barato, em Brasília, tá difícil).

Então, quando quiser comer carne decente, vou ao Barbacoa. Acho que é o melhor custo-benefício para carnes em Brasília.

Fogo de Chão
Endereço: Setor Hoteleiro Sul Qd. 05 Bloco E - ao lado do Posto da Torre.
Telefone: 3322-4666
Horário de funcionamento: 2ª a 6ª das 12h às 16h, e das 18h às 0h. Sábado das 12h às 0h. Domingos e feriados das 12h às 22h30.

Beijocas. Vanessa.

16 comentários:

  1. Vanessa, o melhor custo benefício de carne de BSB na minha opinião são os eventos da estância gaúcha do planalto (sextas campeiras, costelões mensais, etc...), além de não cobrarem rolha para quem quiser levar seu vinho. É o famoso BB bom e barato. Abços.

    www.estanciagaucha.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Que bela análise! Concordo com tudo, sem tirar nem pôr.

    Hoje em dia o Barbacoa, com o seu estilo humile&simples (OK, nem tão humilde... rs...) é o melhor custo-benefício da cidade. Mesmo com o Parrilla Madrid aderindo ao Savespot (lá estive anteontem pra jantar com minha esposa e foi só OK)...

    E mesmo em termos de churrascaria rodízio eu tenho preferido o Porcão. Se bem que agora tem a já "mítica" Vila Brasas, na Vila Planalto, que, segundo consta, pertence a garçons egressos do Porcão, e dentro da proposta de preço justo e qualidade idem manda muito bem!

    Você já foi na Santa Brasa, em Águas Claras? Fica no mesmo edifício do Primeiro Bar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca fui na Santa Brasa. É o que? Steak House, churrascaria? Se bem que nenhum desses dois tipos me atrai..... Você já foi? É legal?

      Excluir
    2. É a la carte, como o Corrientes 348, p. ex. Confira o site: http://www.santabrasa.com/.

      Excluir
  3. vai na Potência Grill, carnes tão boas quanto as da Fogo de Chão, por metade do preço. E tem vários acompanhamentos bons também. Infelizmente tem uns sushis ruins, mas fazer o quê, tem gente que insiste em comer isso em churrascaria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, eu não gosto de churrascaria. Não gosto daquela loucura de um monte de garçom em cima de você, e da carne não estar conforma o seu gosto. Gosto mais de sair para comer carne a la carte mesmo. Abria exceção com a Fogo de Chão que, como disse, era quase a la carte. Agora, praticamente virou churrascaria de vez.

      Excluir
    2. é só você chamar o maitre na mesa e dizer o que você quer. Lá tem muitos garçons, o maitre vai até sua mesa umas 3 vezes. E o carré de cordeiro é excepcional.

      Excluir
    3. ah, é só isso? e se eu não souber o que eu posso pedir porque ninguém me avisou? e, se para os erviço ser bom, for preciso chamar o maitre, é pq o serviço não presta, né?

      Excluir
  4. Gente, que pena!!! Até uma casa desse porte entra no esquema brasiliense de serviço instável??? E pelo preço do rodízio, putz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lulu, pior que nem acho que seja serviço instável, mas uma piora considerável no serviço, pq uma amiga foi há pouco tempo e voltou cheia de reclamações. O número de garçons diminuiu e os novos não são lá muito bons com carnes não...

      Excluir
  5. Ta aí, gostei do post!
    Vários blogueiros de Brasília receberam um "convite" para conhecer os cortes novos do Fogo de Chão. Por "pura coincidência" todos eles falaram maravilhas das carnes e do serviço! É uma pena que alguns blogs tenham se "vendido" a este tipo de convite... Será que não passou pela cabeça deles que eles foram bem atendidos justamente porque estavam ali para avaliar?
    Gosto de avaliações como a sua, sinceras e isentas! Parabens!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, obrigada pelo elogio. Mas, tenho que defender a comunidade blogueira, até porque eu aceito convites de restaurantes, vou feliz da vida e volto contanto exatamente o que aconteceu, ressaltando, sempre, que estava ali como convidada.
      Não concordo que alguns blogs tenham se vendido e falam bem por comerem de graça. O que acontece é que, quando rola convite, a casa está preparada para receber aquelas pessoas e, sabendo que aquilo será divulgado, não deixam nada de errado acontecer. Como acontece quando a gente convida alguém para ir na nossa casa. Por isso, quando o post é de algum evento oferecido pela casa, os blogueiros fazem questão de ressaltar isso, justamente para que fique claro ao leitor que tudo funcionou em perfeitas condições de temperatura e pressão.
      Acho que o importante mesmo é deixar os posts patrocinados como exceção, porque as experiências bancadas pelo próprio bolso é que são mesmo válidas e imparciais.
      Abraços.

      Excluir
  6. Que puxa hein? Também achava que o preço valia a pena. Outro dia até cogitamos almoçar por lá...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anna, descogita e vai gastar menos em outro local...

      Excluir
  7. Eu ainda não tive experiência ruim na FC, salvo na de Porto Alegre-RS há muitos anos atrás (já fechou inclusive).
    Caso a Casa daqui decaia, será uma pena ter em bsb, ao invés de uma churrascaria de alto padrão que inclusive promove o país nos EUA, apenas mais um restaurante típico da cidade: Apenas caro e luxuoso(...).
    abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo, pra mim, a casa já decaiu. Como disse, uma amiga q foi antes de mim reclamou de várias coisas que tb aconteceram comigo. Não vale mais a fortuna que cobra. Não mesmo.

      Excluir